sexta-feira, 9 de outubro de 2015

A DOUTRINA DA JUSTIFICAÇÃO


 

Reginaldo de Matos Araújo[1].


RESUMO

Procurando atender exigências da disciplina, Análise de Romanos, sob a docência do Professor Iury Dias, utilizando-se de pesquisas bibliográficas tanto da bíblia como de literatura teológica referencial, é apresentado neste trabalho de forma concisa uma análise sobre a Doutrina da Justificação, aborda-se definições de termos desde sua origem. Discorre-se sobre divergências com a santificação e destaca-se a exclusividade de Deus no ato de tornar o homem justo.
                                                        
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          Palavras-chaves: Doutrina, Justificação, Justo.



INTRODUÇÃO

Para que haja uma compreensão mais ampla do assunto, o trabalho trás algumas definições sobre o termo Justificação. Dado a limitação proposta para o escrito, procura-se ser objetivo e conciso. O texto não promete sanar todas as divergências do tema (caso exista), no entanto, procura mostrar a eficiência e importância da Doutrina da Justificação.
Em tempo, trata da eficiência da justificação realizada na vida do homem, destacando a inutilidade da ação do homem nesse ato e ratificando o fato de que o processo desta justificação partiu de Deus para o homem e não ao contrário. Obviamente, que ainda muito pode ser escrito sobre este tema de uma relevância tão singular para a humanidade e que estas linhas não conseguem descortinar nem as primeiras camadas do véu que obscurece nosso entendimento.

 

DEFININDO TERMOS


De acordo com o dicionário Vine (VINE; UNGER e WHITE JR., 2002, p.733). O substantivo “dikaiwsiv denota o ato de pronunciar justo, justificação, absolvição.” Ainda segundo Vine, “seu significado preciso é determinado pelo verbo dikaiów,... é usado duas vezes na Epistola aos Romanos, e só ali no Novo Testamento, significando o estabelecimento de uma pessoa por quitação de culpa.”
O livro A Doutrina da Predestinação (SILVA,1989, p. 123), declara que “A palavra ‘justificar’ ocorre trinta e nove vezes no Novo Testamento; vinte e sete das quais nas epistolas de Paulo.”  Segundo Silva, “Essa palavra, pois pode indicar a correta posição forense, ou pode também subentender aquela correta posição que é declarada porque o indivíduo envolvido é realmente justo ou reto, participando realmente da santidade de Deus.”
Boyer (IBAD,sd. p.446), define justificação como sendo o “Ato, pelo qual o homem, passando do pecado ao estado da graça, se torna digno da vida eterna.” Ainda para Boyer, justificado é aquele que é “Reconhecido por inocente”. Para Buckland, (1981, p.258).
A justificação diz particularmente respeito à nossa verdadeira relação com Deus, não se tendo em vista a condição espiritual, mas a situação judicial. Esta verdadeira comunhão com Deus foi comprometida pelo pecado, de que resultou a culpa, a condenação e a separação. A justificação compreende o resurgimento dessa comunhão, sendo removida a condenação pelo perdão, a culpa pela justiça, e a separação pela boa vontade. A justificação significa realmente a reintegração do homem, na sua verdadeira relação com Deus. É, então, considerado como justo, aceito perante Deus como reto com respeito à lei divina, sendo, portanto restaurado a sua primitiva posição.
As definições apresentadas servem-nos para comprovar que a justificação é por natureza uma ação inteiramente divina, não cabendo ao homem tornar-se justo, sem que esta justiça seja imputada por Deus.

A DOUTRINA DA JUSTIFICAÇÃO
A doutrina da Justificação é divergente da santificação. Uma vez que a santificação é uma realização interna, ou seja, o homem pode viver em processo de contínua santificação, (Ap. 22.11) enquanto a Justificação é uma realização única feita por Cristo na vida do homem por intermédio da fé de acordo com o Apóstolo Paulo (Rm 5.1).
Uma característica marcante na Justificação é sua abrangência, uma vez que ela alcança todos os tempos, passado, presente e futuro. Ao falar sobre o problema do pecado entre a alma e Deus, Severino Pedro da Silva, (1989 p. 125) declara que esta questão foi resolvida para sempre quando afirma que, “É possível o crente ser um filho desobediente, e assim necessitar de correção e castigo do pai (cf Hb 12.6), mas nunca mais pode ser considerado pecador perdido e sujeito à condenação do juiz.”
A doutrina da justificação, dentre muitas finalidades, serve-nos para mostrar nossa inutilidade em busca de sermos justos, uma vez que esta é uma tarefa impossível, partindo de nós. O máximo que podemos é praticar a justiça e ser grato, por Deus ter-nos feitos justos aos seus olhos quando perdoou nossos pecados e revogou a pena que era contra nós (Cl 2.14).

CONSIDERAÇÕES FINAIS
            Conclui-se, portanto, que a Justificação é um ato inteiramente divino, é a imputação da justiça de Deus ao homem pecador, a abolição da ofensa, é uma ação que procede de fora pra dentro, ou seja, vem de Deus ao homem e jamais ao contrário, em hipótese alguma o ser humano pode se autodeclarar justo em relação a Deus.
            Entretanto, uma vez que Deus declara o homem justificado nada pode mudar este estado, a justiça de Deus na vida do homem alcança todos os tempos de sua existência, passado, presente e futuro. Mesmo que careça do perdão do pai, não precisará mais de ser justificado diante do juiz da eternidade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
VINE, W.E; UNGER, Merril F.; WHITE JR.,William. Dicionário Vine: O significado exegético e Expositivo das palavras do Antigo e do Novo Testamento. Rio de Janeiro, RJ: CPAD, 2002.
BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica: Dicionário, Concordância, Chave Bíblica e Atlas Bíblico. Pindamonhagaba, SP: IBAD, sd.
SILVA, Severino Pedro da. A Doutrina da Predestinação. Rio de Janeiro: CPAD, 1989.
BUCKLAND, A. R. Dicionário Bíblico Universal. São Paulo, SP: Vida, 1981.


[1] Pastor. Bel. Teologia. Mestrando em Ministério.

Nenhum comentário:

Postar um comentário