terça-feira, 9 de outubro de 2012

TEOLOGIA DO CULTO


ESTE TEXTO TEM COMO BASE UMA ANÁLISE FEITA POR Hermisten Maia Pereira da Costa INTITULADA:
UMA ANÁLISE DE:
O CULTO CRISTÃO NA PESPECTIVA DE CALVINO: UMA ANÁLISE INTRODUTÓRIA

Ao analisar o texto uma das primeiras caracteristicas evidentes apresentada no escrito é o fato de o culto ser algo bastante simples, porém reverente. “Em essência o culto é um encontro de Deus com seu povo no qual se estabelece um diálogo: Deus fala à sua igreja através de sua palavra e a congregação expressa adoração ao Senhor mediante as orações, oferendas e hinos”. A presença de Deus precisa ser algo bem latente no culto, uma vez que o cristão ao se aproximar do santuário para adoração já O trás consigo, sendo assim: “ O culto é a resposta reverente e adoradora que só se torna possivel pela graça de Deus, que nos dá vida (Jo 10.10; Ef 2.1,5; Cl 2.13) capacitando-nos para esse evento”.
É possível observar ainda, que a beleza do culto não está nas aparências, em sua majestosa celebração, nos enfeites, nos detalhes do cerimonial ou em qualquer outro detalhe que o homem queira acrescentar para tornar o culto mais agradavel. Os olhos de Deus estão voltados para a pureza da alma, para o interior, para o verdadeiro estado do coração. A reverência como demostração de consciência do que se está fazendo é uma demonstração clara do que é um culto a Deus.
O grande impasse, encontra-se no fato de os homens quererem prestar culto a Deus, à parte daquilo que Ele mesmo prescreveu em sua palavra. E é neste ponto que nosso culto vai revelar nosso conhecimento das Escrituras. Para o escritor, torna-se incoerente uma adoração biblica desassociada de uma teologia biblica, pois a verdade é que só pode existir adoração biblica com uma teologia genuinamente biblica.
Ponto que merece destaque é o fato da palavra de Deus está presente como algo fundamental na celebração do culto, este por sua vez não deve acontecer nos moldes da mentalidade do celebrante mas sim, extraído inteiramente das sagradas escrituras tendo esta, por sua vez, lugar garantido para sua exposição clara e constante. Isso por que no entendimento da visão reformada “a palavra de Deus ocupa o lugar central do culto, visto que é através dela que Deus fala”. Ao olhar por esta ótica protestante, percebe-se que o culto atual é bastante “pobre” apesar de pomposo.
Sendo a palavra de Deus o guia para toda adoração, nem um sacramento pode ser observado como por si só capaz de produzir algum fruto na vida do cristão. A santa ceia por exemplo, neste entendimento, tem como finalidade principal conduzir-nos ao autor dos sacramentos e nos revelar a essência do verdadeiro evangelho, nas palavras do escritor, “os sacramentos compreendidos corretamente como sinais, podem, no entanto, nos sugerir dois caminhos, os quais devemos evitar por serem equivocados: nos deter nos sinais, exaltando desproporcionalmente seu valor, ou desvalorizá-lo excessivamente. Ele entende que na ceia “nos são oferecidos todos os dulçores do evangelho”.
Calvino tinha uma visão bastante particular sobre a ceia, sua celebração no mínimo uma vez por semana, dava a membresia a oportunidade de estar mais ligada à palavra e fazer do sacramento algo verdadeiramente cristão, tendo em vista que a celebração não podia está desatrelada da palavra de Deus. O entendimento de que o sacramento em si era um sinal visível acompanhado de uma graça interna, tendo como finalidade principal ser um instrumento para que o Espírito Santo comunique a graça divina, tornava-se imprescindível que cada membro participasse.
Quando analisamos a questão dos cânticos, ficamos estarrecidos com a realidade que encontramos, se o culto é algo que deve ser orientado pela palavra de Deus, isso incluindo suas ordenanças ou sacramentos bem como toda a liturgia e que não deve ser fruto de imaginação criativa mas análise criteriosa da palavra de Deus o que não extingui a espôntaniedade. Os cânticos por sua vez deveriam ser baseados nas escrituras ou porque não dizer as escrituras deveriam ser cantadas. O artigo nos trás a memória o fato de que, “Para os reformadores, os cânticos tinham um grande apelo didático, objetivando, inclusive, a fixação das Escrituras. Como a Escritura é a Palavra de Deus, cantá-la significa fixar e relembrar os seus ensinamentos.”
O saltério composto por Calvino, apresentava com muita clareza que a essência dos cânticos estava nas letras cantadas, tendo em vista que este se utilizava de melodias compostas por poetas de sua época. “Calvino traduziu alguns salmos...valendo-se efetivamente do talento do poeta francês Clément Marot (c. 1496-1544) – que conhecera na corte de Ferrara em 1536 – e de Théodore de Beza (1519-1605). Posteriormente recorreu ao precioso trabalho do compositor francês Loys Bourgeois (c. 1510-c. 1560), “pai do moderno hino de louvor” –, que adaptou canções populares e antigos hinos latinos e tambem compôs outras músicas para a métrica dos Salmos de Marot,...”.
O que se entende é que o culto na visão de Calvino não era monótomo, mas, alegre acompanhado de salmos, cantados com melódias marcantes, ele sabia da importância da música aos ouvintes. Nas palavras de Calvino, “...Nós sabemos por experiência que o canto tem grande força e vigor para mover e inflamar os corações dos homens, afim de invocarem e louvarem a Deus com um mais veemente e ardente zelo”.
Enquanto os primeiros protestantes cantavam Salmos, recitavam a Palavra de Deus e eram fortalecidos na fé. O que o artigo nos propõe, não é trocarmos nossos hinos pelos salmos, (o que não impedi de usar-mos salmos como nossos cânticos) mas, que os hinos cantados possam expressar a palvra de Deus aos ouvintes, que possam revelar a grandeza de Deus e glorificar o seu santo nome. Muito do que se ouve hoje em nossas reuniões cristãs, são apenas engrandecimento do ego humano, a música por exemplo é mais direcionado a criatura que ao criador, realmente é tempo de repensar sobre esta parte do culto em nossas igrejas.
Conclui-se portanto que, observando-se as Escrituras Sagradas é possível prestar um culto a Deus de forma correta e agradável. Se o homem se propor a abandonar suas imaginações e prestar um culto segundo a Palavra de Deus, não só o fará de forma correta, como alcançará outras vidas. Visto que a pregação da Biblia que seja em cânticos ou sermões, sempre terá um efeito positivo no que concerne o engrandencimento de Deus.

Reginaldo de Matos Araújo
Pastor da ICE-NP - Igreja Cristã Evangélica em Novo Planalto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário